Dor no ombro por acidente de trabalho2017-09-18T15:25:42+00:00

Project Description

Dor no trapézio e ombro

Com inicio há 3 semanas devido a queda de acrilico no ombro

Dificuldade em fazer extensão, abdução e flexão do MSE.

Dor ao toque ao longo do trapézio e rombóides. deltoide anterior doloroso ao toque.

Dor nível 8.

Dor semelhante a pressão.

Sensação de peso.

Agrava com frio.

Sem saber relacionar com movimento – por vezes melhora outras vezes agrava.

Agrava durante a noite: casa muito fria.

Agrava com tempos húmidos, alterações atmosféricas e frio.

Costuma sofrer de cefaleias mais do lado esquerdo

Agravaram com trauma.

Localização da dor típica dos pontos gatilho no trapézio.

4 medicamentos diferentes para hipertensão.

2ª consulta de acupuntura para tratar dor no ombro

Movimentos do MSE sem limitações aparentes.

Face anterior (deltóide anterior) do ombro sem dor.

Dores fortes ainda presentes no trapézio.

Ontem teve cefaleia com vómitos muito forte.

1 dia depois da última consulta apresentou cefaleia muito forte.

Localização da cefaleia de acordo com trigger do trapézio. A paciente foi avisada com antecedência que estas dores poderiam surgir.

3ª consulta de acupuntura para tratar dor no ombro por acidente de trabalho

Com grandes melhoras a nível da mobilidade e dor no ombro.

Menos cefaleia.

4ª consulta de acupuntura para tratar dor no ombro

Ombro com queixas inexistentes.

Consegue fazer bem os movimentos do braço.

Não sente dor.

Consegue manter os MS em movimentos forçados sem perder força ou sentir sensação de peso.

Cefaleias intensas: conseguiram isolar-se 2 trigger no trapézio: apesar de se saber da existência de trigger devido à dor intensa e à localização da cefaleia a dor local era tão intensa que até ao momento não tinha sido possível isolar os trigger com palpação.)

Trapézio menos doloroso à palpação e menos tenso.

5ª consulta de acupuntura para tratar dor no ombro por acidente de trabalho

Sem queixas relativamente ao ombro.

Só quando faz abdução muito forçada é que surge algum desconforto.

Trigger point 1 do trapézio ainda muito doloroso ao toque. trigger point 2 do trapézio muito pouco doloroso ao toque.

Surgiu cefaleia frontal e palpação demonstrou a existência de trigger points nos esternocleydomastoideus.

6ª consulta de acupuntura para tratar dor no ombro por acidente de trabalho

Ombro sem queixas.

Faz abdução forçada sem queixas.

Sem cefaleia.

Na abdução forçada sente alguma falta de força mas deve-se à falta de treino do ombro.

2 trigger no trapézio.

Paciente não apresentava queixas no sétimo tratamento.

Link para artigo
Link para artigo
Link para artigo
Link para artigo

Dor no ombro por acidente de trabalho

Paciente do sexo feminino na casa dos 30 anos e correu às consultas de acupuntura devido à existência de dor no ombro que surgiu em consequência de um acidente de trabalho. A paciente referia dor muito intensa de nível 8 (em 10).

A dor fazia-se acompanhar de incapacidade em fazer movimentos de flexão, abdução e extensão do ombro. Além da dor no ombro a paciente também apresentava cefaleias muito fortes típicas de trigger points (pontos gatilho).

Numa fase inicial era possível perceber a existência de trigger points mas foi impossível detectá-los devido à tensão e dor exageradas que a paciente sentia. Na medida que se diminui-o a dor e se pode isolar os trigger points foi possível iniciar determinadas alterações aos protocolos de acupuntura.

O tratamento seleccionado foi a acupuntura com eletroestimulação sendo os princípios de selecção de pontos feitos de acordo com miologia funcional, sistema nervoso e trigger points (pontos gatilho).

A paciente foi aconselhada para acupuntura devido à dificuldade dos tratamentos de fisioterapia em eliminar a dor. Durante os tratamentos de acupuntura a paciente continuou a fazer tratamentos de fisioterapia sendo que a junção dos dois poderá ajudar a explicar a rápida recuperação da paciente.

Ao todo foram realizadas 7 consultas através das quais a paciente sentiu uma melhoria muito grande na intensidade e frequência das cefaleias e a ausência de sintomas que afectavam o ombro e região cervical. Os tratamentos foram bissemanais ou trissemanais.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.