Acupuntura no pescoço não é permitido

Recentemente uma doente foi tratar-se com uma acupuntora para alívio da dor ciática. O tratamento correu às mil maravilhas. A paciente respondeu ao tratamento e em poucas sessões encontrava-se sem dor.

Uns meses depois surgiu, à mesma paciente, dor na nuca (cervicalgia) que irradiava para o membro superior. A doente, com as boas referências do primeiro tratamento de acupuntura, recorreu à mesma acupuntora que, infelizmente a informou “que não se fazia acupuntura no pescoço porque era uma área muito sensível”.

Se um paciente meu tem dor no pescoço ou na nuca, então, esse é o local mais importante para colocar agulhas e se os chineses ao longo dos séculos descreveram e classificaram pontos no pescoço e nuca era porque a região não era sensível a ponto de não se poder punturar. Por outro lado, as regiões mais sensíveis encontram-se junto às extremidades mas todos os acupuntores usam os pontos das extremidades. São os pontos mais usados na prática clínica. Entre estes pontos encontramos o 36E (meridiano do estômago), 34VB (meridiano da besícula biliar), 4IG (meridiano do intestino grosso), 4BP (meridiano do baço), 6MC (meridiano do pericárdio), baxie, bafeng, etc…

Se existem pontos de acupuntura no pescoço, se a sua puntura é algo perfeitamente normal e se os pontos mais sensíveis se encontram junto às extremidades e são bastante usados qual a razão que levou aquela acupuntora a fazer a afirmação sobre acupuntura no pescoço?

A resposta é simples. A principal forma de tratar dor consiste no uso dos pontos de dor (pontos ashi). Quando a dor se encontra nos membros (como a ciática) é relativamente fácil para um acupuntor sem grande formação conseguir tratar e ter alguns resultados. Mas quando a puntura é feita em locais (como o pescoço ou a nuca) que são menos usuais, acupuntores sem formação tem mais receio em tratar. A forma de esconder a ignorância é afirmar que não se faz acupuntura no pescoço.

Com todo o respeito por essa acupuntora, e por muitos leitores que não gostam destas críticas, mas uma pessoa que não faz acupuntura no pescoço, ou na nuca, por ser uma região “mais sensível” não devia fazer acupuntura. E isso nem devia ser discutível. O que a acupuntora estava realmente a dizer é algo tão simples como ”eu não tenho formação, nem segurança, para fazer acupuntura no pescoço… ou onde quer que seja”.